Como os Herbicidas podem aumentar a produtividade da sua lavoura

Capim-amargoso e capim pé-de-galinha

De difícil controle, estas plantas daninhas, que disputam luz e nutrientes, podem causar perdas de até 70% na lavoura

LER MAIS

Caruru

O uso de um herbicida pré-emergente auxilia no controle dessa perigosa invasora

LER MAIS

Trapoeraba

Inimiga da produtividade, a trapoeraba, como outras plantas daninhas, ameaça a sanidade e os resultados esperados para a lavoura

LER MAIS

Últimas notícias

Cana: inovação no controle das daninhas nos canaviais

SAIBA MAIS

Caruru resistente ao glifosato: riscos para a lavoura de soja

SAIBA MAIS

Saiba quais são as plantas daninhas mais comuns na soja

SAIBA MAIS

Veja os Herbicidas que recomendamos para a sua lavoura

CALIPEN SC é um herbicida sistêmico, seletivo para a cultura da cana-de-açúcar, para aplicação em pós-emergência das espécies daninhas.

Saiba mais

GROVER é um herbicida pré-emergente seletivo para a cultura da cana-de-açúcar. Promove amplo espectro no controle das plantas daninhas e flexibilidade de uso.

Saiba mais

CALARIS é um herbicida sistêmico, seletivo para culturas do milho, para aplicação em pós-emergência das espécies daninhas.

Saiba mais

Herbicida seletivo. Indicado para controle pré-emergente de plantas infestantes em culturas como soja, milho, cana-de-açúcar e algodão. Controla capins e carurus.

Saiba mais

Sobre nossos Herbicidas

Herbicidas


Herbicidas ssão substâncias químicas desenvolvidas com o objetivo de controlar ervas daninhas, causando a morte dessas plantas invasoras ou suprimindo seu crescimento.

Normalmente, a atividade enzimática é regulada pelos processos bioquímicos, e as substâncias tóxicas permanecem em níveis baixos na planta invasora. Ao inibir determinadas enzimas, os herbicidas provocam aumento das substâncias tóxicas, causando, assim, danos que podem ser irreversíveis às daninhas. Em outros casos, a morte pode ocorrer devido à desregulação de processos de crescimento celular.

Herbicidas e a importância de seu uso


As plantas daninhas competem por espaço, água, luz e nutrientes com a cultura e podem afetar a produtividade da lavoura e a qualidade do produto colhido. Elas também são hospedeiras de doenças e pragas, comprometendo ainda mais a sanidade da plantação e, muitas vezes, tornam a manutenção da plantação impraticável e dificultam o trabalho de colheita. Os prejuízos para o agricultor podem ser significativos, com a perda de 10% a 80% da produtividade da safra.

O uso de herbicidas é muito importante no manejo das plantas daninhas. Eles atuam tanto na dessecação de culturas para colheita e formação de palhada como no controle das invasoras. Além disso, a aplicação desse defensivo apresenta vantagens relevantes, como:
Economia de tempo na eliminação de ervas daninhas;
Ação rápida na lavoura;
Menos uso de mão de obra e
Não há necessidade de revolver o solo.

Como escolher o herbicida ideal


Para escolher corretamente um herbicida, é preciso conhecer muito bem a cultura que está sendo plantada, além de entender como funcionam os produtos disponíveis no mercado.

Existem várias formas de classificar um herbicida. Uma das distinções mais comuns é pelo seu espectro de ação, que são:
Graminicidas agem predominantemente sobre folhas estreitas;
Latifolicidas agem predominante sobre plantas de folhas largas;
Pré-emergentes usados no controle de plantas daninhas antes da emergência das mesmas sobre o solo

Esses produtos também podem ser classificados de acordo com a sua seletividade. Um herbicida seletivo é aquele que atinge somente a planta-alvo, ou seja, que pode acabar com as plantas daninhas da lavoura sem prejudicar determinada cultura que está sendo cultivada. Já os herbicidas não-seletivos, além de matar as plantas daninhas, podem ser utilizados no manejo de dessecação, por exemplo.. A atrazina, por exemplo, é seletiva para uso em milho, entretanto, se for aplicada na soja, as plantas dessa cultura morreriam juntamente com as plantas daninhas suscetíveis ao produto.

Uma outra maneira de classificação do herbicida é de acordo com a sua translocação na planta. Nesse caso, eles podem ser:
De contato após serem absorvidos, agem próximo ao local de contato com a planta devido à falta de mobilização ou à mobilização extremamente baixa dentro da planta ou
Sistêmicos apresentam capacidade de translocação através da planta, até atingir seu local de ação.

Existem ainda outras maneiras de classificar esses defensivos agrícolas, como quanto ao seu mecanismo de ação, caráter iônico, classificação toxicológica e período de aplicação. Por esse motivo, é muito importante ter o auxílio de um engenheiro agrônomo no momento da escolha do produto ideal e sempre seguir as instruções da bula.

Principais plantas daninhas combatidas


Cada cultura é suscetível à invasão de determinadas espécies de plantas daninhas. A infestação por capim-amargoso (Digitaria insularis), por exemplo, é uma das maiores ameaças à produtividade da soja. Segundo pesquisa realizada pela Embrapa, a existência de 1 a 3 daninhas dessa espécie por metro quadrado reduz a produtividade da lavoura em 23%. Se a infestação for de 4 a 8 plantas, a perda pode chegar a 44%.

Mas é preciso ficar atento, pois cada cultura tem seus herbicidas registrados e autorizados para aplicação na lavoura. Também é preciso observar a seletividade do produto para que ele não cause danos nas plantações.

Herbicidas Syngenta: aliados do agricultor


Se você não quer mais perder espaço para as plantas daninhas de difícil controle, invista nos herbicidas da Syngenta, produzidos para diversas culturas, incluindo produtos inovadores que podem ser usados em plantios de transgênicos.
Dual Gold
Dual Gold é o herbicida pré-emergente da Syngenta que atua no controle de daninhas da soja como capim-amargoso (Digitaria insularis); capim-pé-de-galinha (Eleusine indica); trapoeraba (Commelina benghalensis); erva-quente (Spermacoce latifolia); caruru (Amaranthus hybridus) e poaia-branca (Richardia brasiliensis). Seu ingrediente ativo atua com eficácia, inibindo o crescimento das plantas invasoras, e seu efeito residual impede que as sementes que estão no solo emerjam.
Calaris
Recomendado para aplicação pós-emergência, seja de forma isolada ou em associação com outros herbicidas, Calaris é mais uma moderna solução do portfólio da Syngenta para proteger as lavouras de milho. O produto substitui a atrazina com doses mais baixas, resultados mais eficazes e superioridade.
Calipen SC
Indicado para todos os momento da cana-de-açúcar, Calipen SC é um herbicida sistêmico e pós-emergente altamente seletivo, ou seja, controla as daninhas sem causar danos à cultura, e de amplo espectro, atuando no combate tanto de folhas largas quanto estreitas.
Grover
Grover é o melhor gramicida para o manejo em pré-emergência na cultura de cana-de-açúcar. Promove amplo espectro no controle das gramíneas em cana planta e cana soca, além de ter flexibilidade de uso. Grover pega pesado com as gramíneas!
Reglone
O herbicida multicultura não seletivo, tem ação rápida e é uma excelente solução no pré-plantio e sequencial, além de ser a melhor opção para a dessecação pré-colheita. Atua também no controle de plantas daninhas resistentes ao glifosato.

A Syngenta possui um amplo portfólio de produtos que envolve inseticidas, fungicidas, herbicidas e tratamento de sementes de alta qualidade para todos os estádios das mais variadas culturas.